top of page

A boa notícia


Deus enviou mais um anjo para alegrar minha família. Há pouco mais de um mês recebi a notícia de que serei titia novamente e, recentemente, descobrimos que vem mais um menininho... Nosso amado Miguel.

As coisas acontecem e nos trazem experiências bem diferentes. Quando descobri que seria titia pela primeira vez, me senti tão eufórica, com tantos sentimentos bons vindo à tona e de forma desgovernada, que queria que a gravidez da minha cunhada passasse bem rápido para poder conhecer logo o Antonio.

Quando fiquei grávida as coisas foram diferentes, os sentimentos bons entraram nos seus devidos lugares e pude experimentar cada momento até o nascimento do meu Artur. Depois vi aflorar muitos medos como de não saber ser mãe, de ser julgada, de errar, de falhar, de não dar conta... Medo de ficar doente... Medo de morrer, de desamparar meu filho e de não poder estar presente em cada fase da vida dele. E ainda temo por tudo isso.

Quando descobri que seria tia da Isabela, entendi que o Artur teria uma responsabilidade para toda vida, de cuidar da priminha, não permitir que o mundo faça mal para ela. E que com ela e com minha afilhada Ana Julia crescendo juntas com ele, aprenderia a ser gentil com as meninas desde cedo, entendendo que não há diferença entre brincadeiras de menino ou de menina. O importante é ter amigos para brincar e se divertir muito!

Agora, com a chegada do Miguel, só consigo pensar lá na frente, imaginando as crianças da minha vida correndo e brincando, fazendo muita bagunça. E acaba sendo inevitável, lembro da minha infância e de como foi maravilhoso crescer junto com meu irmão e meus primos. Diferença de idade para criança não existe... Seja com 2, 4, 6 ou 8 anos... O importante é juntar a turminha, fazer pipoca e bolo de chocolate para o lanche, e deixar a bagunça correr solta o dia todo. E a noite colocar todos juntos para dormir em colchonetes na sala, exaustos de tanta felicidade. E no meu rosto estará estampado um sorriso, com um coração repleto de gratidão: "Obrigada, meu Deus! Amo minhas crianças".

bottom of page